Ter Relação Todos os Dias Faz Mal para o Ganho de Massa Muscular?

Algumas pessoas pensam que ter relação todos os dias faz mal para hipertrofia e ganho de massa muscular, mas não há estudos científicos que comprovem essa teoria

Ter Relação Todos os Dias Faz Mal para o Ganho de Massa Muscular

Ter relação todos os dias faz mal?

Alguns atletas amadores e fisiculturistas profissionais acreditam ter relação todos os dias faz mal e que o sexo ou a masturbação antes do treino pode afetar seu desempenho e ganho de massa muscular, enquanto outros acreditam que tem benefícios.

Mas ainda não há nenhum estudo científico que comprove que se masturbar ou fazer sexo antes do treino tem benefícios ou malefícios. Atualmente as pesquisas disponíveis são muito limitadas para tirar conclusões concretas.

Mas existem conexões comprovadas entre atividade sexual, níveis de hormônio e melhora no humor. A maneira como seu humor afeta outras atividades, como a musculação,  é muito pessoal.

Por que as pessoas acham que sexo ou masturbação prejudica o treino?

Ter Relação Todos os Dias Faz Mal para o Ganho de Massa Muscular

Todos sabemos que a testosterona ajuda na construção e ganho de massa muscular. A testosterona ajuda seus músculos a sintetizar as proteínas. Além disso a testosterona também aumenta o nível do hormônio do crescimento HGH, que é liberado pelo corpo em resposta ao exercício.

Os níveis de testosterona aumentam durante o sexo e a masturbação e caem novamente após o orgasmo, então é normal que as pessoas pensem que isso pode afetar seu desempenho no treino.

Mas essa flutuação não é alta o suficiente para ter um efeito negativo e perceptível em qualquer atividade, muito menos no seu treino. Pois os níveis de testosterona voltam ao normal poucos minutos após o ato sexual.

Ficar sem fazer sexo melhora o ganho de massa muscular?

Não. Não há nenhum estudo ou evidência que comprove que se abster de se masturbar ou fazer sexo melhore seu treino ou ganho de massa muscular.

Mesmo que a abstinência sexual cause um aumento temporário nos níveis de testosterona, atualmente não há nenhuma conexão entre a flutuação do hormônio com o ganho de massa muscular.

Fazer sexo ou se masturbar melhora o treino?

Provavelmente sim! Um estudo descobriu que a liberação dos hormônios durante o orgasmo tem muitos benefícios no desempenho do treino.

Os hormônios liberados e seus efeitos são:

  • Dopamina. Um neurotransmissor que controla a liberação dos hormônios que afetam a emoção, o movimento, o prazer e a dor. Também ajuda no seu processo de tomada de decisão e motivação .
  • Norepinefrina. Aumenta a excitação e o estado de alerta. Também aumenta o fluxo sanguíneo para os músculos e a liberação de glicose no sangue das gorduras.
  • Oxitocina. Esse hormônio induz sentimentos de otimismo, confiança e autoestima e ajuda você a se relacionar melhor com outras pessoas. Também reduz a inflamação .
  • Prolactina. Além de prazer sexual ao corpo, regula o sistema imunológico e ajuda no metabolismo.
  • Serotonina. Conhecido como o hormônio da felicidade, melhora o seu humor. Também ajuda no crescimento em certos tipos de células do seu corpo.
  • Vasopressina. Este hormônio equilibra a água no seu corpo e melhora a memória, atenção aos detalhes e clareza.

Tudo isso combinado pode fazer você se sentir melhor e mais motivado para treinar depois de ter um orgasmo. Além disso, o estudo concluiu que essa combinação de liberação hormonal pode aliviar a dor muscular causada pelo treino intenso.

Conclusão:

No passado os praticantes de musculação acreditavam que a atividade sexual atrapalhava o desempenho e ganho de massa muscular. Mas pesquisas revelaram que a liberação de determinados hormônios depois do orgasmo pode melhorar o humor a confiança e autoestima.

Por fim, não há necessidade de abster de ter atividade sexual para alcançar seus objetivos. 

LEIA TAMBÉM:

Fontes:

  • Athlete abstinence: Does it really make a difference? (2016).
    adameve.com/t-athlete-abstinence.aspx
  • Balci F. (2014). Interval timing, dopamine, and motivation. DOI:
    10.1163/22134468-00002035
  • Exton MS, et al. (2001). Endocrine response to masturbation-induced orgasm in healthy men following a 3-week sexual abstinence. DOI:
    10.1007/s003450100222
  • Griggs RC, et al. (1989). Effect of testosterone on muscle mass and muscle protein synthesis. DOI:
    10.1152/jappl.1989.66.1.498
  • Megat S, et al. (2017). A critical role for dopamine D5 receptors in pain chronicity in male mice. DOI:
    10.1523/JNEUROSCI.2110-17.2017
  • Ming J, et al. (2003). A research on the relationship between ejaculation and serum testosterone level in men. DOI:
    10.1631/jzus.2003.0236
  • Stefani L, at al. (2016). Sexual Activity before Sports Competition: A Systematic Review. DOI:
    10.3389/fphys.2016.00246
  • Szeto A, et al. (2017). Regulation of the Macrophage Oxytocin Receptor in Response to Inflammation. DOI:
    10.1152/ajpendo.00346.2016
  • Taylor A, et al. (2016). Mesolimbic dopamine signaling in acute and chronic pain: implications for motivation, analgesia, and addiction. DOI:
    10.1097/j.pain.0000000000000494
  • Wood PB, et al. (2008). Role of central dopamine in pain and analgesia. DOI:
    10.1586/14737175.8.5.781

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.