Dieta e treino – Quais alimentos para cada tipo de atividade

Compartilhe nas redes sociais!

Uma boa dieta faz toda a diferença para turbinar um programa de exercícios físicos e obter melhores resultados e mais rápidos, seja para melhorar o preparo físico ou para recuperar o corpo depois de muita malhação. Comer os alimentos adequados antes e depois de fazer exercício auxilia na perda de gordura e na manutenção da massa muscular.

É importante esclarecer que a ideia de que treinar em jejum jamais deve ser feito sem uma indicação muito precisa e sem o devido seguimento médico e nutricional, podendo ser muito prejudicial à saúde. Na maioria das vezes o treinamento em jejum é contraindicado e os benefícios de uma alimentação balanceada pré-treino é incontestável.

A escolha dos alimentos certos é fundamental na manutenção da massa muscular. “Sem a alimentação adequada, o organismo não tem energia para praticar a atividade. Os músculos e os órgãos precisarão de uma fonte de energia e o corpo a retira do músculo. Por isso, antes da atividade física são indicados lanches leves, mas ricos em carboidratos e em fibras que ajudam a manter a energia durante a prática da atividade física”, afirma o Dr. André Veinert, nutrólogo da Clínica Healthme Gerenciamento de Perda de Peso.

De acordo com o nutrólogo, o ideal é escolher alimentos com baixo índice glicêmico, como pães integrais, cereais, batata doce ou frutas (se tiver casca comestível, consumir também), nozes e castanhas também são uma boa opção. Estes alimentos têm digestão mais lenta, portanto, o açúcar será liberado no organismo aos poucos, mantendo a energia constante.

Alimentos com alto índice glicêmico como pão branco, bolachas, açúcar refinado, bolos e tortas podem levar a sintomas de hipoglicemia, que é a queda brusca de açúcar, pois eles são rapidamente digeridos e o açúcar será rapidamente “queimado”. “Os sinais da hipoglicemia são tontura, fadiga, tremores e dores de cabeça durante o exercício. O ideal é consumir alimentos de baixo ou médio índice glicêmico de uma hora e meia a uma hora antes do treino. Também é recomendável evitar a associação de muitos alimentos ricos em fibras, pois eles podem fermentar e causar desconforto abdominal durante o exercício”, explica o Dr. Veinert. Evite também alimentar-se em demasia, principalmente se o intervalo entre a refeição e o treinamento for menos de uma hora. Neste intervalo, não há tempo para digestão completa dos alimentos, e há grande chance de desconforto, mal-estar náuseas e até vômitos durante o treino.

Depois do treino

A reposição de nutrientes é fundamental para ajudar no aumento, manutenção e recomposição da massa muscular. “O alimento ideal para recuperar a massa perdida durante o exercício é a proteína. Mas ela não deve vir sozinha, a refeição também precisa conter carboidratos, importantíssimos também na melhora do ganho de performance e de massa muscular. Alimentos proteicos como peito de peru, queijo branco, ricota, cottage, iogurte, leite, carnes magras e soja são ótimos para prevenir lesões e melhorar o rendimento do próximo treino. É recomendável que esses alimentos sejam consumidos em até uma hora após o treino”, orienta o Dr. André Veinert.

Outro ponto importante é o consumo de água antes, durante e depois de praticar atividade física. A desidratação prejudica a performance e pode levar a sintomas como tontura, fadiga, náuseas e até lesão nos rins, desmaios e coma. Desta forma, com uma alimentação equilibrada e a ingestão de líquidos, qualquer programa de exercícios tem tudo para dar certo!

Sobre a especialista:

Nutrólogo André Veinert,da Clínica Healthme Gerenciamento de Perda de Peso

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.