CLA – Um queimador natural

Compartilhe nas redes sociais!

Mais de 2 décadas de pesquisas mostraram que o CLA pode ajudar na redução de gordura corporal de forma muito significativa. Pesquisas mais recentes tem demonstrado também sua capacidade de manutenção e aumento de tecido muscular, o que é importantíssimo para manter um metabolismo acelerado. Seus efeitos antioxidantes também são muito conhecidos.

Em 02/01/2005 o jornal “O GLOBO” publicou uma matéria em que a chamada era a seguinte: “Para ajudar a queimar gorduras e a emagrecer, pílulas de CLA – viram febre de verão no Rio e em São Paulo”
Em 07/02/2007 a revista “ISTO É” publicou a seguinte matéria: “Gordura do Bem – A capacidade do composto de reduzir lipídios está confirmada por várias pesquisas. Uma delas, feita na Universidade Estadual de Campinas, revelou uma diminuição de 18% do tecido adiposo em ratos alimentados com dieta rica na substância”

O interesse científico pelo CLA foi despertado em 1988, quando um pesquisador da universidade de Wisconsin descobriu determinadas propriedades do CLA relacionadas a manutenção da saúde . A partir daí diversas pesquisas foram feitas com o CLA, e os resultados foram surpreendentes.

Estudos evidenciaram o seguinte sobre o CLA:

O uso do CLA tem produzido aumento na massa corporal magra, diminuição do acúmulo de gorduras e tem um papel importante no crescimento muscular. Existem evidências de que o CLA inibe o mecanismo que leva o nosso corpo a acumular gordura e faz com que ele use nossas reservas de gordura como fonte de energia.

A suplementação com CLA produz efeitos tanto em pessoas sedentárias como naquelas que praticam atividades físicas, mas pesquisas sugerem que o CLA é mais eficiente na redução da gordura daqueles que praticam atividades físicas.

Existem evidências de que pessoas que param de fazer dieta, quando estão tomando CLA, estão mais propensos a ganhar massa muscular e não gordura .
Estudos indicam que o CLA tem propriedades anti-oxidantes e anti-catabólicas, e é um importante aliado do nosso sistema imunológico .

O CLA pode ser encontrado naturalmente em alimentos como carnes, queijos e outros derivados do leite. Contudo, na prática não se consegue obter todo CLA da qual o corpo demanda só contando com a alimentação normal do dia-a-dia. Isso porque o indivíduo teria que consumir pelo menos 500g de gordura, na sua maioria saturada, todos os dias para obter uma quantidade significante de CLA, que é de aproximadamente 3g por dia. Isso daria mais de 4500 calorias por dia só desses alimentos ricos em CLA .

Dessa forma, se você quer realmente atingir o consumo de CLA sugerido pelas pesquisas, o mais indicado é que recorrer à suplementação com CLA.

Pesquisas:

Num estudo conduzido por uma equipe de pesquisadores suecos, publicado na edição de Dezembro de 2000 do “Jornal da Nutrição”, descobriu-se que o CLA atua na redução da gordura e aumento do tecido muscular. De acordo com o estudo, foi observada uma redução média de 2,7Kg de gordura no grupo que tomou o CLA, comparado com o grupo que não tomou o CLA . O Dr. Michael Pariza, que conduziu pesquisas com o CLA na universidade de Wisconsin, relatou que o CLA faz com que as células de gordura se mantenham pequenas, “murchas” .

Pesquisadores da Noruega estudaram os efeitos do CLA em pessoas saudáveis, porém um pouco acima do peso. Foi dado 1,7g, 3,4g, 5,1g, ou 6,8g de CLA por dia [6]. Todos os grupos mostraram uma redução significativa da gordura corporal e um aumento da massa muscular magra, mas esse efeito foi mais significativo nos 2 últimos grupos. Foi também observado que todos os grupos mostraram uma redução nos níveis de colesterol.
Um recente estudo verificou que o consumo de 4,2g de CLA por dia em 53 indivíduos saudáveis levou a uma perda de 3,8% de gordura, comparado com indivíduos que não tomaram o CLA .
Sinergia

Em estudos com animais, a combinação do CLA com guaraná demonstrou reduzir as células de gordura em 50%.

Curiosidade

Alguns pesquisadores relacionam o problema de obesidade nos dias de hoje com o baixo consumo de CLA. Como o CLA é encontrado predominantemente em carnes e derivados do leite, mudanças nos métodos de alimentar o gado levaram à diminuição da concentração de CLA em carnes e derivados do leite.

Para uma produção otimizada de CLA, as vacas têm de pastar na grama em vez de serem engordadas artificialmente com ração. Estudos e pesquisas têm mostrado que a carne de vacas que se alimentam de pasto contem até 4 vezes mais CLA do que as que se alimentam de outra forma. Hoje em dia os derivados do leite tem apenas 1/3 da quantidade de CLA que eles costumavam ter antes de 1960

.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.